HILDON MANTÉM GRANDE VANTAGEM SOBRE CRISTIANE, MAS ENFRENTARÁ AINDA DOIS DEBATES: ANTES DA ELEIÇÃO

ATÉ QUANDO VAMOS VIVER SOB A SUSPEITA DE QUE AS URNAS ELETRÔNICAS NÃO SÃO TOTALMENTE SEGURAS?
21 de novembro de 2020
FECHARAM-SE AS URNAS? NADA DISSO, PORQUE NA SEMANA QUE VEM, COMEÇA UMA NOVA CAMPANHA DE DOIS ANOS
25 de novembro de 2020

Os debates podem mudar uma eleição? Já mudaram em disputas passadas. Já fizeram os indecisos tomarem posição. Já abriram espaço para que o eleitor, mesmo o convicto, trocasse seu voto, às vezes por um detalhe importante; por uma denúncia, por uma agressão verbal do candidato, por um exagero ao tentar tripudiar sobre o adversário. A passionalidade do voto é clara, quando os confrontos podem sim, mudar tudo numa disputa eleitoral. Em Porto Velho, o primeiro deles foi realizado no último sábado, na SICTV. Teve momentos agressivos, quentes, mas no geral foi pouco mais que isso, porque os dois – Hildon Chaves e Cristiane Lopes – só vez ou outra elevaram o tom, com troca de acusações e algumas poucas farpas mais pesadas. O eleitorado já pode sentir, no sábado, o que pensam, como pensam e o que pretende fazer cada um dos postulantes. Durante a semana, contudo, haverá novas oportunidades de análise para que o porto velhense, aquele que já se decidiu tenha certeza do seu voto ou que, mesmo assim, tenha elementos para reavaliar sua posição. E o que está indeciso, finalmente, bata o martelo e defina o que quer, para sua cidade, nesses próximas quatro anos. O telespectador terá pelo menos duas novas oportunidades de ouvir os candidatos, nos debates. Um na Rede TV!, cuja data e horário ainda está sendo definido pela direção da emissora. Já a TV Rondônia/Globo, encerra a série de confrontos na sexta-feira, dia 27, logo depois da novela das nove. A mediadora será a competente jornalista Maríndia Moura.  

Os debates que ocorrerão ainda podem mudar, sim, o quadro atual. Mas é sempre bom lembrar que não existe bola de cristal para eleição. Existe lógica, análise, performance dos candidatos, propostas, empatia com o eleitor, simpatia e outros quesitos. Mas no caso de Porto Velho, não há como não se reconhecer a boa vantagem de Hildon Chaves sobre Cristiane Lopes, não só detectada nas pesquisas, mas também na voz das ruas. Nas redes sociais, apenas, Cristiane ainda tem alguns apoios mais fortes, mas não passa disso. A jovem vereadora, que já pode se considerar vencedora por chegar a um segundo turno disputando com nada menos do que 14 outros pretendentes, ao que tudo indica não conseguirá sobrepujar a estrutura de campanha e a liderança de Hildon Chaves, Mas, sem dúvida, pavimentará um futuro político sólido, a partir dessa disputa. Ela pode até ganhar, por essas surpresas que acontecem em eleições. Mas não deixará de ser um resultado dos mais inesperados. Se der a lógica, Hildon ganha até com facilidade, embora possa correr ainda algum risco nos debates. Esse é  o quadro, no momento. Opinar é obrigação do cronista político, mesmo que ele não gostaria de fazê-lo. Está feito!

A VACINA AINDA NÃO CHEGOU E AS MULTIDÕES ESTÃO NAS RUAS

Já se fala em vacinação contra o coronavírus, nos Estados Unidos, a partir de 11 de dezembro, ou seja, daqui a pouco mais de duas semanas. Se der certo, começa uma grande esperança mundial pelo controle de uma das mais terríveis doenças que já assolou o Planeta, ao menos nos últimos dois séculos. Quando uma vacina que realmente funcione chegará ao Brasil e quando ela começará a ser aplicada em massa, na população apavorada com a volta de números assustadores da Covid 19? Só quando tivermos respostas práticas para essas perguntas, é que poderemos mesmo começar a afrouxar as medidas. Em todo o Brasil, é inacreditável o que está acontecendo: multidões nas ruas, nas praias, nas festas, em concentrações políticas, sem máscara, amontoadas. Em algumas cidades de Rondônia, vê-se, infelizmente, cenas parecidas. Os banhos da Capital estão lotados e os riscos de que a doença se espalhe são grandes. Nossas UTIs podem lotar novamente. Já temos 1.522 mortos e quase 260 internados. Mais quatro mortes ocorreram no final de semana. Enquanto não tivermos vacina, não há como relaxar nos cuidados contra o vírus.

UMA DÉCADA DE DÍVIDAS: MAIS DE 300 AÇÕES CONTRA EMPRESA

De vez em quando (ainda bem que essa prática tem diminuído) se aplicavam golpes por aqui, principalmente na área da construção  civil. Empresas de fora vinham, terceirizavam serviços, contratavam organizações locais, faziam obras, vendiam imóveis e…bye bye…Deixavam clientes e contratados pendurados no pincel. O caso da gigante Gafisa é sintomático. Há mais de uma década, a empresa, hoje dona de shoppings e uma das maiores do país, acabou deixando diversos proprietários de apartamentos e prestadores de serviços na mão, fugindo de Rondônia por não conseguir quitar suas dívidas.  Em 2009 a Gafisa chegou em Rondônia, criando a filial GAFISA Spe-85 Empreendimentos Imobiliários Ltda., para a construção de edifícios em Porto Velho. Comercializou diversos imóveis na Capital e devido ao atraso na entrega e falta de pagamento de fornecedores sofreu aproximadamente 300 ações judiciais, respondendo atualmente por diversas delas. Mesmo com diversas condenações judiciais, não tem cumprido os acordos de pagamentos das suas múltiplas dívidas.

DINHEIRO DOS PAGAMENTOS SUMIU

A Gafisa conseguiu o milagre de fazer desaparecer praticamente todo o seu patrimônio, de forma que nem a Justiça está conseguindo penhorar qualquer valor nas contas da tão falada e conhecida construtora, que, num passe de mágica, tirou todo o dinheiro de suas contas bancárias para não pagar suas dívidas. Pelo Brasil afora, a GAFISA continua suas atividades com aparente fluidez, lançando diversos novos empreendimentos em várias Capitais nacionais. Mas não cumpre seus compromissos, deixados aqui nessas terras de Rondon desde meados da década passada. Clientes e empresas locais foram ludibriados. Para se ter uma ideia, para apenas uma empresa rondoniense, a Gafisa deve perto de 180 mil reais. Foi feito um acordo judicial, a devedora pagou quatro prestações e depois, nada mais. Fez desaparecer seu dinheiro das contas e a Justiça não tem conseguido cobrá-la. O caso atinge dezenas de clientes e empresas locais e ainda, certamente, percorrerá um longo caminho nos corredores do Judiciário.

UM CRIME BRUTAL TRANSFORMADO EM DISCURSO IDEOLÓGICO

Há racismo no Brasil? Há sim. Como se dizer que não há, ao menos em alguns locais, em algumas áreas. Há racismo entre algumas pessoas. Mas não o há, de jeito nenhum, como uma instituição nacional. Não o há como o querem nos impor setores da sociedade que querem ver a Nação rachada, dividida, confrontando-se, guerreando. Há, de boa parte da mídia (liderada pelo jornalismo da Rede Globo), um grande esforço para que se defina o Brasil como um país racista, para que haja confrontos. Quando mais divisão da sociedade, melhor para quem quer ver um país estigmatizado por ideologias que, ao menos até agora, não têm nada a ver conosco. O caso da brutalidade ocorrida num supermercado em Porto Alegre, quando um homem foi surrado com toda a crueldade e morto, foi um assassinato frio, que merece a mais dura das punições. Mas que nada teve a ver com racismo, não teve mesmo. Transformar um crime brutal numa batalha ideológica, é um atentado contra nosso país. Lamentável!

GOVERNADOR HOMENAGEIA JI-PARANÁ COM OBRAS

O governador Marcos Rocha divulgou, em suas redes sociais, homenagem especial aos 43 anos de Ji-Paraná. “Parabéns a essa cidade maravilhosa!”, assinalou. Para lembrar a data, Rocha enumerou algumas obras que seu governo realizou ou está realizando na cidade. “Entre elas, a Ponte sobre o Rio Urupá. A obra estava parada e era aguardada há anos. Depois de alguns estudos, ordenei que os trabalhos fossem executados pelo DER. A construção foi, enfim, finalizada. Conseguimos em tempo recorde e com mais de 50 por cento de economia para os cofres públicos, com uma qualidade excepcional. O valor economizado será usado para mais obras”. O Governador também falou da conclusão da “grandiosa obra do Anel Viário, finalizada diretamente pelas equipes do DER, com sinalização completa, incluindo uma ciclofaixa”.

AS MELHORIAS NO AEROPORTO E O SANEAMENTO BÁSICO

“No aeroporto José Coleto, dentre as ações, os serviços de terraplanagem para regularização da área no entorno da pista. Fizemos também, a alteração do traçado da estrada que margeia o aeroporto e a construção da nova cerca de alambrado. Já foram 100 por cento os trabalhos concluídos, garantindo acesso seguro e escoamento de produtos. Destacou ainda o trabalho que está em curso, “do maior Programa de Saneamento Básico da história de Ji-Paraná. A obra de esgotamento sanitário atenderá mais de 29 mil residências em Ji-Paraná. Executada pelo DER. O recurso estava quase perdido e nós conseguimos salvar. Agora, estamos executando com a qualidade que a população merece. É algo que toda nossa gente precisa. Esse é meu foco. Que esse tipo de obra ocorra em todas as cidades. Em geral, obras assim são esquecidas, pois não são vistas como estradas e máquinas, mas são de grande importância para a saúde e qualidade de vida. Vamos entregá-las”.

UMA PONTE DE PRESENTE NOS 43 ANOS DE JI-PARANÁ

Outro depoimento importante sobre a cidade, foi dado pelo deputado Laerte Gomes. Uma das principais cidades de Rondônia, Ji-Paraná, que recém elegeu Isaú Fonseca como seu novo prefeito, comemorou seus 43 anos de emancipação neste último domingo. Mereceu muitas homenagens, vindas de vários setores e autoridades. O presidente da Assembleia, deputado Laerte Gomes, que representa a cidade no parlamento, por exemplo, registrou que “quero parabenizar Ji-Paraná pelos seus 43 anos. Cidade que se consolida a cada dia como um polo regional, com muita força econômica, focada principalmente no agronegócio, mas também com um comércio forte, um polo de educação e que tem gerado muitas oportunidades, merece todas as homenagens. Parabéns para essa cidade de gente trabalhadora e que acolhe a todos com muito respeito e carinho”, disse Laerte. Ele destacou ainda que um dos melhores presentes que a cidade recebeu, foi a entrega, pelo governo do Estado, atendendo pedido dele, Laerte, da nova ponte sobre o rio Urupá, que liga o 3º Distrito à cidade. “É uma das mais importantes obras já realizadas na cidade e fico feliz em ter contribuído diretamente para que fosse executada”.

NO PAÍS, 53 POR CENTO DOS VEREADORES E 61 DOS PREFEITOS VOLTARAM

Em Porto Velho, apenas 38 por cento dos vereadores retornaram a mais um mandato. Os outros 62 por cento são de caras novas. O eleitor, no geral, reprova, em sua grande maioria, a atuação dos edis, tanto por aqui quanto no país afora. Mas, enquanto o porto velhense foi mais duro com seus representantes na Câmara, em nível nacional  os números não foram os mesmos. No país inteiro, 54 por cento dos vereadores se reelegeram, ou seja, um percentual muito maior do que registrado na Capital rondoniense. Embora a maioria dos eleitores passe o mandato criticando a ação dos seus representantes na Câmara, ao menos na média nacional, ainda preferiu manter a maioria em seus cargos. Já no caso dos Prefeitos, a situação foi ainda mais positiva para os políticos que concorreram à reeleição: 61 por cento deles foram reconduzidos ao cargo. Dos 3.324 que se candidataram, 2.037 mantiveram o cargo. Neste domingo, outros 52 concorrem a mais quatro anos nas capitais e maiores cidades do país. Desses, quantos ficarão?

PERGUNTINHA

A poucos dias da eleição do segundo turno, você que é porto velhense já decidiu em quem vai votar neste domingo ou ainda vai esperar por outros debates, confrontos e entrevistas dos dois candidatos, antes de definir seu voto?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *