TODOS NO FIO DA NAVALHA, ENTRE A TRAGÉDIA DO CORONA VÍRUS E O FANTASMA DA FOME E DO DESEMPREGO

DR. JEKILL OU MISTER HYDE? UMA ALEGORIA DO FIM DO SÉCULO PASSADO SOBRE O SER HUMANO, TRAZIDA PARA O BRASIL DE HOJE
20 de maio de 2020
HÁ RISCO DE RUPTURA INSTITUCIONAL? CERTAMENTE NENHUM BRASILEIRO DECENTE QUER ISSO
23 de maio de 2020

Daqui a dois meses, em muitos casos e três meses, na maioria deles, acabará o pagamento do seguro-desemprego para os mais de 200 mil demitidos no país, somente nas últimas semanas. Eles não terão mais nada para sobreviver. A continuar a crise e os desempregados  poderão saltar para mais de 1 milhão, somando-se aos quase 14 milhões que já estavam sem trabalho antes da pandemia e do fechamento abrupto dos seus postos de trabalho. Em Rondônia, por causa do agronegócio, a crise ainda não se deu com tanta força, mas especialmente no  interior. É na Capital, onde o comércio era abundante e onde dezenas de lojas estão fechadas ou prestes a quebrar, que a situação torna-se bem mais preocupante. Afora o contracheque salvador, que não se sabe até quando poderá registrar  os pagamentos rigorosamente em dia, como ocorre nas duas últimas décadas, a falta de dinheiro circulando e o estado de calamidade pública decretado, podem arrasar com a economia da cidade. Com isso, a tendência é que arraste, com a crise, toda a estrutura estadual, causando um volume de desemprego jamais registrados nessas terras de Rondon. Já se fala que, nos últimos 60 dias, pelo menos 10 mil postos de trabalho já teriam sido perdidos, só em Porto Velho. Como não se tem a mínima ideia de quanto tempo vai durar essa terrível pandemia e quando reabrirá suas portas a maioria das empresas, hoje proibidas de funcionar, só se pode ser pessimista em relação a questão do galopante desemprego que pode se registrar por essas bandas.

Dentro das suas possibilidades e prerrogativas, o Governo do Estado tem tentado de tudo, não só ouvindo os empresários, como buscado atender o máximo de reivindicações dos mais diferentes setores. Mas não é o Governo quem dá a última palavra sobre isso. Mesmo com decisão nesse sentido do STF, denúncias e pedidos do Ministério Público, da Defensoria Pública, entre outros organismos, têm sido sempre acatados pelo Judiciário, quando se trata de manter as empresas fechadas e ampliar o isolamento social. A intenção é atender orientações da Organização Mundial de Saúde, na busca de salvar mais vidas. Mas é, claramente, uma interferência entre poderes, coisa, aliás, que já tornou comum no país, onde quem é eleito manda pouco e quem não o é, manda muito. Enquanto tudo isso está acontecendo, milhares de rondonienses já estão sendo perseguidos de perto pela fome e pelo desespero, porque também os ambulantes, aqueles que trabalham do dia para comer de noite e tentar sobreviver, estão sem perspectivas. No fio da navalha entre isolar as pessoas, com a intenção de que elas não sejam afetadas pelo corona vírus e não permitir que milhares e milhares de famílias sejam alijadas da sobrevivência digna, governantes e membros de outros Poderes não falam a mesma linguagem, por uma motivo simples: ninguém sabe qual é a solução para esse drama que nunca vivemos antes…

UM DIA RECORDE DE MORTES POR CORONA

Foram 24 horas assustadoras. Mais 160 infectados com o corona vírus, da tarde da quarta-feira à tarde da quinta. Mas, muito pior que tudo isso, foi o recorde de mortes. Onze pessoas faleceram no período, oito delas em Porto Velho. Já são 2.659 casos positivados e, lamentavelmente, chegamos à centena de mortos: 101. Eram 90 apenas um dia antes. Os casos assustam mesmo, a tal ponto que o deputado estadual Jair Montes tenha gravado um vídeo, ainda nesta quinta, pedindo ao governador Marcos Rocha que decrete lockdown no Estado por entre 10 e 15 dias. Como no geral a movimentação, principalmente em Porto Velho, continua muito grande, com boa parte da população ignorando o isolamento social, essa seria uma saída emergencial para conter o vírus, que tem crescido de forma a assustar as autoridades da saúde pública. No país, a quinta-feira também deixou o brasileiro de cabelo em pé. Foram mais 1.188 mortes em 24 horas, 20.047 óbitos no total, um percentual de 6,4 por cento sobre o total 310.087 casos confirmados. Em Rondônia, as 101 mortes sobre os  2.659, representam um percentual de 3,7 por cento. Estamos em guerra e, em muitos locais do país, estamos sendo derrotados. Como ficará Rondônia neste contexto?

EM CINCO MESES, 330 EMPRESAS FECHARAM

Para se ter ideia da gravidade da situação do comércio porto velhense, alguns dados assustam mesmo. Na Junta Comercial, entre o primeiro dia do ano e o 5 de maio passado, havia registros de fechamento de pelo menos 330 empresas. Isso mesmo. Apenas no período de 30 de março a 5 de maio, o total de lojas comerciais que fecharam suas portas, exterminando com dezenas de empregos, chegou a 52.  Todos esses dados se referem apenas a Porto Velho. No interior, também muitos comerciantes, principalmente os pequenos e médios, também encerraram suas atividades, nesse período de pandemia. Os levantamentos oficiais em relação ao desemprego ainda não foram concluídos, mas, é óbvio, é no comércio onde mais se perderam postos de trabalho, já que a maioria das empresas está proibida de abrir suas portas, mesmo que implementem todas as medidas de segurança e cuidados para evitar contaminação, exigidas pela legislação. No  final de maio, os números de empresas que fecharam pode duplicar…

SHOPPING COMPLETA DOIS MESES FECHADO

A situação no maior centro de compras da cidade, o Porto Velho Shopping, também é muito preocupante. Fechado há exatos 60 dias, o Shopping tem 160 lojistas, dos quais 70 ainda tentam sobreviver, realizando suas vendas pelo sistema Drive Thru, em que o cliente faz a encomenda pelas redes sociais, vai de carro até o shopping e sem descer, recebendo sua mercadoria, dentro de um sistema com todos os cuidados com a segurança sanitária. Mesmo com apoio da direção do shopping de reduzir em 50 por cento o valor do condomínio e de 40 por cento do valor de fundo de promoção; da isenção do cliente de 100 por cento nos custos de aluguéis, a situação é muito difícil. A  expectativa é que o Porto Velho Shopping possa voltar a abrir suas portas no próximo dia 29. Aliás, o Shopping tem 180 protocolos de segurança, para tentar poder voltar a receber seus clientes. Cássio Mendonça, gerente geral do empreendimento, compara: se os mercados podem abrir, porque o Shopping, como muito mais segurança e estrutura também não pode? A resposta está nas mãos das autoridades…

GOVERNADOR QUER VOLTA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL

No contexto da crise, o governador Marcos Rocha usou novamente as redes sociais, na noite da quarta-feira, para falar na situação da guerra ao corona vírus e no esforço para que as atividades econômicas retornem à normalidade o mais rápido possível. Num dos trechos, Rocha escreveu que “Rondônia deve voltar o quanto antes à atividade comercial completa de modo gradual e responsável. Para tanto, devemos seguir o plano de forma unida, para que passemos por isso o mais rápido possível. Esse trabalho conjunto com todos os representantes do comércio e indústria, está sendo extremamente importante para alinharmos ações. Em todas as reuniões agradeço as informações passadas, observações para corrigirmos e melhorarmos os decretos, além do tratamento com respeito por todos os entes. Manterei essa união buscando fortalecê-la sempre. A sociedade deve governar junto”.  E cobrou a participação dos rondonienses: “quanto mais rápido seguirmos as diretrizes, mais cedo teremos resultados consistentes e estaremos próximos de uma nova normalidade. Agradeço o apoio e compreensão de diversos setores. Estou recebendo muitas notas de apoio e agradeço a todas. Todas as mensagens que recebo, inclusive as críticas, contribuem para que nossas decisões e decretos saiam mais alinhados e justos em um período tão incerto”.

ADEUS À REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA?

Pressões dos partidos de  esquerda, da parte ideológica do Ministério Público (até gravaram um vídeo, eminentemente com opiniões políticas);  das ONGs internacionais e de forças muito poderosas – de dentro e de fora –  que ainda mandam neste Brasil, a Medida Provisória 910, da regularização fundiária, não foi votada na Congresso e perdeu seu validade. Embora houvesse alguns aspectos que poderiam ter sido excluídos do texto original, porque realmente poderiam facilitar a vida de invasores de terras na Amazônia, a verdade é que com o fim da MP, são prejudicados mais de 100 mil pequenos produtores rurais apenas em Rondônia. Em toda a região norte, perto de 2 milhões de famílias que aguardam há décadas a regularização, também ficaram prejudicadas. Agora, a Câmara vai discutir um novo projeto, que só Deus sabe quando entrará na pauta. Enfim, continuamos sem o poder de decidir sobre coisas do nosso país. Uma minoria é quem manda, decide e dá a sentença. Adeus, regularização fundiária!

JI-PARANÁ: LAERTE PEDE CONTRATAÇÃO DE HOSPITAL

A Assembleia Legislativa tem atuado bastante na questão da luta contra o corona vírus. O caso de Guajará é apenas um exemplo. Embora não tenha interferido na saúde municipal, a pedido do Parlamento, o secretário Fernando Máximo e sua equipe estiveram na cidade, tentando ajudar a amenizar a crise e abrir um verdadeiro esforço para diminuir o número de mortes naquela cidade. O presidente Laerte Gomes, além disso, está preocupado com a situação em Ji-Paraná. Ele está sugerindo à Sesau a contratação emergêncial do Hospital Cândido Rondon, para sejam disponibilizados 40 leitos clínicos e 10 leitos de UTI além de serviços de exames clínicos, insumos, além da disponibilização de profissionais, para atendimento aos pacientes afetados pela Covid 19. Para o presidente, é público e notório que a capacidade de leitos nas unidades hospitalares da rede pública está chegando ao seu limite de atendimento.  “E a situação é ainda mais grave no interior do Estado”, alertou. Com isso, o presidente Laerte Gomes reforça a necessidade de uma urgente tomada de decisões por parte da Sesau. “Nossa intenção é preservar vidas, e o Hospital Cândido Rondon será um importante suporte de apoio no acolhimento de pacientes”.

UM DIA IMITAREMOS OS ITALIANOS?

Parecia um milagre que nunca, em qualquer país, seja democrático ou não, assistiria. Mas ocorreu na Itália e, quem sabe, a partir dela, a ideia se espalhe pelo mundo. Quem sabe um dia chega a um certo país ao sul do Equador? Pois os grandes partidos italianos, situação e oposição, se uniram e decidiram reduzir o número de congressistas em 36 por cento. Isso mesmo! Não é Fake, embora pareça. Não é sonho, embora pareça. O número de deputados baixará de 630 para 400 (menos  230 cadeiras), enquanto o de senadores cairá de 315 para 200 (menos 115 cadeiras). Quem sabe outros países, um deles que tem 513 deputados federais e 81, possa seguir o exemplo? E quem sabe, para se tornar ainda mais incrível a história, reduzir mordomias, penduricalhos e tantos carguinhos, que custam milhões e milhões de reais ao bolso do pobre contribuinte? Ora, se os italianos sonharam e realizaram, por que não podemos fazer o mesmo?

DEPOIS DOS CAMELÔS, A REFORMA DA PRAÇA

Seis anos depois de ter sido tomado por dezenas de barracas de camelôs, que dali tiravam seu sustento, todos foram retirados da Praça Jonathas Pedrosa, no centro de Porto Velho. A grande maioria tinha se instalado ali depois da violenta enchente de 2014, considerada a maior de toda a história do rio Madeira, desde que ela é contada. Foram ficando, até porque os planos de colocá-los num lugar definitivo, com estrutura, não se tornaram realidade. No mês passado, cumprindo exigência do Ministério Público e por causa da pandemia do corona vírus, que poderia se espalhar no local, a Prefeitura retirou a todos do local. Dias depois, retirou nada menos do que 60 caminhões de lixo do local. Nesta quinta, o prefeito Hildon Chaves anunciou a completa reestruturação da praça, num texto postado nas redes sociais. Afirmou:  “Com a intenção de trazer de volta à memória da população. Todo o amor e o encantamento pelos pontos mais famosos de Porto Velho, a Prefeitura está reformando Praça Jonathas Pedrosa. Sendo um dos pontos históricos mais charmosos da Capital, a praça passará por uma restauração e ficará ainda mais aconchegante”.  E anunciou: “estamos trabalhando para fazer de Porto Velho o melhor lugar para se viver”.

PERGUNTINHA

Se você for contaminado pela Covid 19 e tiver que ser hospitalizado, vai autorizar os médicos a lhe medicarem com a cloroquina ou prefere seguir os conselhos dos que são contra o remédio, dizendo que ele pode trazer graves riscos à sua saúde?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *