A CAERD É UM PACIENTE TERMINAL, MAS QUE AINDA PODE SER SALVO COM UNIÃO DE FORÇAS DOS RONDONIENSES

O PAU CANTOU CONTRA A ENERGISA, NO ENCONTRO DA BANCADA FEDERAL COM DEPUTADOS ESTADUAIS, EM BRASÍLIA
27 de novembro de 2019
ENFIM, A FORÇA POLICIAL CAIU COM TODA A FORÇA SOBRE A BANDIDAGEM QUE MANDAVA NO ORGULHO DO MADEIRA
30 de novembro de 2019

Depois da batalha da Energisa, virá a da Caerd. A questão da empresa distribuidora de energia está andando, inclusive com uma CPI em andamento, na Assembleia Legislativa (nesta sexta, aliás, haverá reunião dela com a comunidade em Guajará Mirim e na segunda em Rolim de Moura e Ariquemes), mas a da água ainda é complexa e de difícil solução. No resumo da ópera, o deputado Jair Montes, relator da CPI da Energisa, diz que não é impossível resolver a questão da Caerd. Num encontro casual com o presidente da Caerd, José Cardoso Ferreira, em Brasília, essa semana, ambos acabaram tratando de detalhes do assunto, que deve evoluir a partir de agora Basta vontade política e a compreensão de que a privatização da Caerd poderia não resolver o problema e até ampliá-lo. Tem um argumento forte: “se privatizada a água passará a custar ao contribuinte valores absurdos, como está cobrando a Energisa nas contas de luz, o rondoniense vai decretar falência. Não vai aguentar!” Em busca de alternativas, as conversas recém iniciaram. A Caerd está numa situação terrível, em função de uma dívida que ultrapassa 1 bilhão de reais. Dela, 600 milhões ela deve à Ceron/Energisa, que, por sua vez, deve a ela um pouco mais que isso. Um encontro de custos reduziria a conta por mais da metade. Além disso, a Caerd precisa, com urgência, de cerca de 30 milhões de reais para quitar indenizações de dezenas de servidores, alguns trabalhando na estatal desde sua criação e que lá continuam, porque ela não tem como pagar essa grana toda e mandar para a aposentadoria algo em torno de 200 antigos  funcionários, a maioria contatados por regime da CLT.

Um encontro com o governador Marcos Rocha, nos próximos dias, pode avançar na busca de alternativas viáveis para que a empresa se mantenha. O assunto deve voltar à pauta da Assembleia, num momento de coincidência, quando a Energisa negocia com o Estado a redução drástica de uma dívida de 1 bilhão e 700 milhões de reais. Só que a empresa de energia não aceita um encontro de contas com a Caerd. Quer que a estatal lhe pague os 600 milhões que deve de forma parcelada. Montes acha que o Governo só deve topar – e ainda dependerá do aval da Assembleia, que até agora não aceita a redução da dívida da Energisa – caso toda a dívida da Caerd com a antiga Ceron seja considerada totalmente quitada. Enfim, o que pode acontecer a partir de agora é que a Caerd volte à pauta. Da forma como está sendo administrada atualmente, a empresa é viável. O problema é que o passado a condena. Usada politicamente, transformada num cabide de empregos durante longos anos, sempre prestando um serviço deficitário e sem qualidade, só nos últimos anos ela passou a ser gerida como deveria ter sido durante toda a sua existência. A Caerd está na UTI, mas ainda não morreu. Depende muito do Governo do Estado, da Assembleia, da bancada federal e da população, ressuscitá-la. Conseguiremos?

PREJUÍZOS BILIONÁRIOS

Sobre a Energisa, ainda, já que é o principal assunto no Estado, a empresa está tendo problemas também em outros cantos desse Brasil, onde atua. A CPI daqui será prorrogada, mas a do Acre já o foi. Pelo menos em outras duas regiões do país, atendidas pela empresa, as Assembleias Legislativa também partiram para a criação das Comissões de Inquérito. Em Mato Grosso e na Paraíba, elas já estão instaladas, inclusive buscando subsídios com a CPI de Rondônia. Não está fácil a vida da empresa. Por aqui, ela contava com a certeza de que sua dívida com o Estado seria muito reduzida. O governo teria aceito, desde que fossem cumpridas determinadas condições. Mas o caso não evoluiu, porque a Assembleia Legislativa não aceitou o acordo. A verdade é que a Energisa chegou patrolando, impondo suas exigências e seus métodos. Ignorou a população e seus representantes. A falta de diálogo está custando caro à empresa. Numa conversa entre políticos locais, surgiu a informação de que a distribuidora de energia já teria perdido algo em torno de 1 bilhão de reais na Bolsa de Valores, pela imagem negativa e pelas dificuldades que enfrenta em alguns dos Estados onde atua.  

MARCOS ROGÉRIO JÁ TEM CANDIDATO

Um nome poderoso na política rondoniense já tem seu candidato à Prefeitura de Porto Velho. Para quem conhece um pouco dos bastidores, a decisão não é nenhuma surpresa. O senador Marcos Rogério, em ascensão no mundo político não só em nível regional, mas também no cenário nacional, está fechado com o projeto de reeleição do prefeito Hildon Chaves. Nessa semana, em Brasília, o parlamentar de Ji-Paraná comentou o assunto com exclusividade para essa coluna. Disse que é parceiro do Prefeito da Capital e que só não o apoiará caso Hildon decida não concorrer. Mais que isso, passa pela cabeça de Marcos Rogério que seu partido, o DEM, indique o nome do vice para compor uma chapa forte na corrida municipal de Porto Velho. O nome seria o do advogado Fabrício Jurado, que trocou o Partido Novo pelo DEM, recentemente.  É uma nova e emergente liderança política do Estado, segundo o senador rondoniense. Se a nuvem da política não mudar, nesse cenário que se desenha para Porto Velho, o prefeito Hildon Chaves terá ao seu lado uma das mais destacadas lideranças da política estadual. Marcos Rogério, aliás, é nome citado em todas as conversas, quando se fala em sucessão estadual para 2022.

SABARÁ, UM EXEMPLO PARA NOSSO HOSPITAL

A construção do novo Hospital de Pronto Socorro, em Porto Velho, pelo sistema BTS (Built To Serve), continua sendo mote de pesquisas, encontros, visitas, debates. Na semana passada, acompanhados por cinco deputados, o  secretário da Saúde, Fernando Máximo e Superintendente da Supel, Márcio Gabriel, foram conhecer o projeto, já tornado realidade,  de um grande hospital, funcionando no sistema BTS, que é um exemplo do sucesso de empreendimentos semelhantes. Participaram da vista ao Hospital Infantil Sabará, com 400 leitos, os deputados Marcelo Cruz, Alex Redano, Anderson Pereira, Cássia dos Muletas e Ismael Crispim. O sistema BTS é utilizado em vários países, quando um prédio é construído sob total orientação do futuro cliente, sem um só centavo de dinheiro público. Pronto, é alugado a longo prazo para seu cliente (no caso local, o Governo de Rondônia), por um prazo mínimo de 20 anos, com a manutenção por conta do construtor. Segundo Fernando  Máximo, há uma  união de forças entre  Governo, Assembleia Legislativa, Tribunal  de Contas, Ministério Público, Tribunal de Justiça e boa parte da população, apoiando a iniciativa. Até porque, por ela, a obra ficaria pronta em cerca de dois anos, enquanto uma construção pública, com toda a burocracia que envolve, poderia levar até uma década para ser concluída. “O Sabará é um exemplo de que o modelo pode funcionar também para a saúde”, comemorou Máximo.

FEIRÃO DO COMÉRCIO NO BINGOL

Nesta sexta, 20 e no sábado, 30, Porto Velho recebe um grande evento empresarial. A primeira edição do Feirão do Comércio terá a participação de empresas de pelo menos 12 setores de atividades; preços com descontos que podem chegar a até 30 por cento; apresentações artísticas, comida boa, prêmios especiais e atrações que valem a pena ser assistidas. O evento nos dois dias, dura 12 horas em cada um deles: entre as nove da manhã até às nove da noite. “Preço Baixo de Verdade” é o slogan da série de promoções que o Feirão vai proporcionar ao porto velhense, numa iniciativa da Fecomércio, em parceria com o Sicoob e o Sebrae. Haverá ainda serviços de atendimento ao público, desde simples cortes de cabelo e medição de pressão e  glicemia, até alguns mais complexos, de hepatite, de sífilis e HIV, tudo oferecido gratuitamente ao público. Tanto nesta sexta como no segundo dia, haverá sorteio de 500 reais e, neste sábado, o destaque será para uma viagem de sete dias a Santa Catarina, com tudo pago. É daquelas festas comerciais que a gente não pode perder. No Bingool Club, no centro de Porto Velho. Imperdível!

DOIS MIL NOVOS EMPREGOS

Nos próximos dias começam também as promoções no comércio,  promovidos pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL).  Três Domingões estão agendados, começando pela Avenida Jatuarana,  no dia 8 deste dezembro que está chegando. O segundo será no dia 15, na José Amador dos Reis, zona leste. E o último na Sete de Setembro. As atrações são incontáveis. Tudo isso sem contabilizar os 5 mil reais em ouro, sorteados toda a semana, até o final do ano, entre os clientes das lojas afiliadas. Com todo esse esforço, unindo forças de entidades como Fecomércio e CDL, a meta é buscar um crescimento nas vendas de, no mínimo, 5 por cento a mais do que no ano passado. Gente mais otimista, anda  achando que esse percentual pode até dobrar. Há, ainda, notícias mais positivas. O comércio porto velhense deve abrir pelo menos duas mil vagas temporárias, nessa temporada natalina. Não é de se comemorar?

PLACAS E BLITZ, ALVOS DE LAERTE GOMES

O deputado Laerte Gomes, presidente da Assembleia  Legislativa, voltou a bater firme em questões relacionados ao Detran e ao trânsito em Rondônia. A antecipação do lançamento das placas do Mercosul e aspectos das blitz da Lei Seca foram mote de duras críticas, partindo do parlamentar.  Em relação às placas, Laerte lamentou a antecipação, pelo Detran, de implantar o sistema de placas do Mercosul quase um mês antes do prazo final. Aqui, será a partir de 2 de dezembro. No resto do país, em 31 de janeiro. “Foi uma decisão atabalhoada e desnecessária”, protestou. Já em relação às blitz da Lei Seca, o presidente da ALE considerou exageradas ações que estão prejudicando o comércio de Rolim de Moura. Segundo Laerte Gomes, os empresários não são contra as blitz, porém, consideram abusivo e exagerado “o modo coercitivo”,  utilizado pelos policiais que dão suporte para os agentes do Detran. Para o deputado, “o objetivo da Lei Seca é a conscientização e a diminuição dos acidentes de trânsito e não uma ferramenta de perseguição e enriquecimento”. A polêmica está no ar. Até agora, o Detran não se pronunciou, para responder aos dois temas.

PERGUNTINHA

Adianta condenar o ex presidente Lula uma, duas, três vezes se, no final das contas, não importam as penas, ele continuará solto por longos anos, até que todos os processos sejam julgados em última instância?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *