QUASE 250 MIL ALUNOS E PESSOAL DA EDUCAÇÃO VOLTARAM ÀS AULAS PRESENCIAIS. HOUVE SÓ QUATRO CASOS DA COVID

O TRÁFICO DE DROGAS E ARMAS TÊM A VER COM O FORO DE SÃO PAULO? DENÚNCIA DE JORNALISTA ESPANHOLA DIZ QUE SIM
11 de outubro de 2021
HOSPITAIS DE RONDÔNIA CORRERAM O RISCO DE PARALISAR ATENDIMENTOS EM PLENA CRISE DA PANDEMIA
14 de outubro de 2021

Cerca de 45 mil estudantes e outros quase cinco mil professores e servidores da Educação voltaram às aulas presenciais em Porto Velho, há dois meses. Cumprindo rigorosamente todo os protocolos de segurança (que incluem um revezamento de turmas da mesma sala, quando uma delas frequenta a escola numa semana, a outra na próxima), distanciamento, álcool em gel e tudo o mais, neste período todo, envolvendo toda essa gente, foram registrados apenas três casos de pessoas contaminadas com o Coronavírus. Nenhum aluno. Os contágios ocorreram entre servidores e não há certeza de que se deram no local de trabalho. No Estado, 70 por cento de todos os cerca de 220 mil estudantes e servidores da Educação também já retornaram. Desde que as aulas presenciais voltaram, para toda esta multidão de mais de 250 mil pessoas, apenas um caso de Covid, em Alvorada do Oeste, foi constatado. Nenhum outro. Ou seja, tanto na rede estadual quanto na municipal, o número de casos é insignificante. O que tudo isso significa? Ora, que está mais do que na hora de que todos os estudantes – alguns que perderam quase dois anos de aulas presenciais – retornarem imediatamente para as escolas rondonienses. Claro que com todos os cuidados que ainda são necessários, como está sendo feito, mas está na hora de a vida escolar entrar pela via do recomeço. A pandemia está cada vez menos agressiva, graças às quase 1 milhão e 850 mil vacinas (1 milhão 150 mil da primeira dose e outras 688 mil da segunda) já aplicadas no Estado, mais de 370 mil apenas na Capital.

A secretária Glaucia Negreiros, titular da educação na Capital, sintetiza a preocupação sobre o tema: “não estamos falando em recuperação, mas sim em recomposição do aprendizado. Precisamos que nossos estudantes voltem à normalidade do ensino”, afirma. A secretária, aliás, tem percorrido várias escolas, para checar, pessoalmente, se tudo está andando como o planejado. E está. Na Seduc, até a volta do Aulões, que sempre foram saudados como de grande importância, comprovam a preocupação com volta à normalidade, mas, ainda, com todos os protocolos sendo seguidos. Na semana passada, perto de 700 alunos participaram presencialmente de um deles. Desde que os números da pandemia começaram a cair drasticamente no Estado, o retorno do sistema educacional à algo próximo à normalidade é uma exigência. O sistema hospitalar está quase vazio (no Boletim 565, da quarta-feira, tínhamos apenas 56 leitos ocupados) e o número de novos casos tem diminuído praticamente todos os dias. Enfim, mesmo que haja alguns pais ainda reticentes para a volta presencial dos filhos, como registram os dois secretários (Glaucia e Suamy) não há mais motivos reais para que as aulas presenciais não retornem com tudo. Aliás, já passou da hora!

LIVRE DE AFTOSA SEM VACINAÇÃO: BOLSONARO VEM ENTREGAR CERTIFICADO EM JI-PARANÁ

Falta apenas a confirmação oficial do Planalto, que organiza a agenda presidencial. Mas é praticamente certa a vinda do presidente Jair Bolsonaro a Rondônia, no próximo dia 30. Ao lado da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que já confirmou sua presença, Bolsonaro deve entregar ao governador Marcos Rocha e a produtores rurais, o certificado de que Rondônia é Estado livre da aftosa sem vacinação. O evento será coordenado pelo secretário de Agricultura, Evandro Padovani e também terá a participação de lideranças da produção rural do Acre, do Amazonas e do Mato Grosso. A certificação dada a Rondônia, um dos Estados pioneiros do país a receberem a distinção, é o resultado de décadas de esforços de produtores e dos governos, em busca do combate à aftosa. Com a certificação, a carne rondoniense dá um salto de valor no mercado mundial e amplia cada vez mais o potencial financeiro do nosso já pujante agronegócio. Marcos Rocha, seu secretário da agricultura, Padovani e o chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves, estão entre os que comemoram o novo momento da produção do nosso Estado. O Governador afirmou que “este é o reconhecimento de muito trabalho e responsabilidade de todos os envolvidos nas políticas de sanidade animal de Rondônia”! 

MAIS 3.800 TÍTULOS DE PROPRIEDADE E DISTRIBUIÇÃO DE SEIS MILHÕES DE MUDAS DE CAFÉ

Na solenidade do dia 30, para a qual a presença do Presidente deva ser confirmada nos próximos dias, acontecerão outros eventos importantes. Um deles, será a entrega de novos 3.800 títulos de propriedades, conquistados através de parceria do governo estadual com o Incra. No encontro, ao lado de Bolsonaro, Marcos Rocha deve anunciar, ainda, a distribuição de 50 mil toneladas de calcário, para ajudar na produção agrícola do Estado. Mais: a Seagri começa, por Ji-Paraná, um grande programa de distribuição de seis milhões de mudas de café, para incrementar a produção do Estado. Nos últimos anos, Bolsonaro veio a Rondônia quando era candidato, recebido por uma multidão no aeroporto Jorge Teixeira e, já como Presidente, esteve aqui em 7 de maio passado, quando inaugurou a ponte sobre o rio Madeira, na Ponta do Abunã, concluída no governo dele. Ao governador Marcos Rocha, seu aliado de primeira hora, o Presidente da República já avisou que fará de tudo para estar em Ji-Paraná no próximo dia 30. Aguardemos, pois!

CIENTISTAS DECIDEM COMO A AMAZÔNIA DEVE SER GERIDA. POR ELES E NÃO PELOS BRASILEIROS

Cerca de 200 cientistas do mundo todo sabem exatamente qual é a solução para resolver todos os problemas não de seus países de origem, como se nele nada houvesse a corrigir, mas sim na Amazônia brasileira.  Esses gênios, por coincidência com a grande maioria, representando entidades da esquerda, ONGs internacionais e outros grupos que querem determinar o que o Brasil deve ou não fazer com a floresta que é nossa, não deles, apresentaram um relatório à ONU alertando para os “riscos de destruição da floresta” e, do alto da sapiência que possuem, apontando uma série de soluções “para frear esse processo”! Ou seja, estes  especialistas, muitos desesperados porque não têm mais acesso a decisões e principalmente à pesada grana que rolava em tempos não tão distantes (diga-se, aliás, em tempos muito recentes), têm todas as soluções para a mais rica região do Planeta e que, infelizmente para eles, já tem dono. Quem sabe, com a volta dos “amigos” ao poder, se isso infelizmente ocorrer algum dia, no futuro, eles todos não retornem também, para fazer o que querem com o que não lhes pertence?  

ESQUENTA DISPUTA PELA OAB. ELEIÇÃO ESTÁ AGENDADA PARA 23 DE NOVEMBRO

Poucas vezes uma eleição da OAB rondoniense mobilizou tanto a categoria. A disputa entre Zênia Cernov e Márcio Nogueira divide os advogados rondonienses. Márcio é o nome do atual grupo que comanda a instituição, liderada pelo presidente Elton Assis e que tem apoios como o do ex-presidente Andrey Cavalcante. A oposição reúne nomes de advogados com longa carreira, como Hélio Vieira, marido de Zênia; outros consagrados, como Renato Cavalcante e novas lideranças, como Breno Mendes. A disputa está muito acirrada, não só na Capital, mas também na maioria das cidades do interior. Os dois lados anunciam adesões importantes, enquanto percorrem as subseções municipais, em busca do aval dos profissionais da área do Direito. A eleição está marcada para 23 de novembro e o eleito terá um mandato de três anos, com possibilidade de reeleição. O atual presidente, Elton Assis, nome consagrado dentro da categoria dos advogados, abriu mão de concorrer a mais três anos, porque acha que a alternância no poder oxigena a instituição. O site Rondoniaovivo prepara um debate entre os dois candidatos à OAB, em data ainda a ser confirmada.  

DENÚNCIA CONTRA FORO DE SÃO PAULO: SILÊNCIO TOTAL E ABSOLUTO

Nem um pio. Zero. Nem um grande site. Nem um grande jornal. Nenhuma grande rede de TV, exceto a Record. Nenhum blog. Nem um pronunciamento da OAB, do Ministério Público, nem de representantes da direita no Congresso. Ao menos até agora. Foi como se não tivesse acontecido a grave denúncia da jornalista Cristina Sequí, da Espanha, acusando a esquerda latino-americana, representada pelo Foro de São Paulo, de estar recebendo dinheiro do tráfico de drogas e de armas. Silêncio total. Com exceção de sites ligados à esquerda, que estão   esculhambando com a jornalista, dizendo que ela é de extrema-direita e que só produz Fake News (o que não condiz com a verdade), ninguém fala nada. Cristina mantém suas acusações e afirma que tem provas de tudo o que diz. “Há muitas fontes, que eu cultivo e preciso garantir integridade física para eles e suas famílias. Não posso dizer quais são, mas são nomes por trás das coisas que estão saindo. As informações não implicam somente políticos brasileiros. Todas as provas materiais que eu tenho são nomes, que serão revelados em momento oportuno”, promete.

CASO DOS ABSORVENTES: A ESQUERDA LEMBROU QUE TEMOS MULHERES POBRES QUE MENSTRUAM

O polêmico caso envolvendo a distribuição de absorventes para jovens e mulheres pobres continua na pauta. Enquanto em nível nacional, o presidente Bolsonaro vetou o projeto por falta de inclusão do gasto no orçamento da União, em Porto Velho o prefeito Hildon Chaves já enviou projeto à Câmara, para que a Prefeitura distribua os absorvente para estudantes pobres da rede de ensino. Ambos estão certos. O presidente alega falta de inclusão o gasto do orçamento. Ele poderá ser incluído no ano que vem, por exemplo. Hildon também está, porque como tem recursos, pode fazer o investimento social, que é importante. A única coisa ruim neste episódio, em nível de país, foi mais uma vez a gritaria  hipócrita da esquerda contra o Presidente, por ter vetado o projeto. Os esquerdistas, que estiveram no poder durante pelo menos duas décadas, nunca lembraram que há milhões de jovens e mulheres pobres e paupérrimas que menstruam. Nunca fizeram nada por elas. Agora, cont udo, não param de discursar. Dá nojo!

CORTE DE 600 MILHÕES NA CIÊNCIA PODE AFETAR ESTUDOS DA VACINA BRASILEIRA ANTICOVID

Não se pode deixar de criticar, com veemência, a decisão do governo brasileiro de retirar, do orçamento da União do ano que vem, nada menos do que 600 milhões de reais, das área científica e da pesquisa, repassando toda essa grana para outros ministérios. Tem toda a razão o ministro/astronauta Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, em protestar contra o corte e pedir a imediata reposição dos valores, para que seu Ministério possa dar andamento a dezenas de projetos. Um deles, aliás, de enorme importância: o andamento dos estudos e pesquisas para que tenhamos uma vacina brasileira contra a Covid 19, no menor prazo possível. Por exemplo: em parceria com a Universidade de Minas Gerais, o Ministério comandado por Pontes investe pesado na vacina brasileira, chamada Spintec, que está em estágio avançado de pesquisas. Sem dinheiro, os estudos podem ser afetados. O corte foi feito no Congresso Nacional, a pedido do Ministério da Economia, frustrando este e outros grandes planos de Pontes para pesados investimentos em Ciências e Tecnologia.

PERGUNTINHA

O que você achou do anúncio feito pela antiga apresentadora da TV brasileira e já em fim de carreira, a Xuxa, proibindo qualquer apoiador do presidente Bolsonaro de segui-la nas redes sociais?

Os comentários estão encerrados.