NUMA CAPITAL SEM LAZER E POUCAS ÁREAS QUE AJUDEM A MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA, O PARQUE DA CIDADE PODE SE TORNAR UMA EXCEÇÃO

O DESESPERO PARA TENTAR DESMENTIR O INSTITUTO BRASMARKET, QUE FEZ PESQUISA APONTANDO VITÓRIA DE BOLSONARO EM 22
5 de janeiro de 2022
REVALIDA: MAIS DE 900 RONDONIENSES PODEM ESTAR PRONTOS PARA A ETAPA FINAL, EM MARÇO
8 de janeiro de 2022

Parques, jardins públicos, locais de encontro da comunidade, áreas de lazer: este pacote resume o que pode melhorar a qualidade de vida numa cidade. Mesmo as grandes metrópoles, recheadas de edifícios e arranha-céus, abre espaços para que as pessoas possam ter uma rotina menos dura e que tenham opções para andar, correr, pensar, viver, enfim. Os mais de 600 mil porto velhenses, até agora, pelo menos, tem muito pouco a comemorar neste contexto, mesmo vivendo numa cidade cercada de floresta por todos os lados. Em algumas áreas dentro da Capital, ver uma árvore é quase um milagre. Um primeiro passo, a criação do Espaço Alternativo, que já funciona há alguns anos, ajuda, mas não resolve. Ali há uma série de problemas não resolvidos, enquanto Estado e Prefeitura não fecham um acordo para definir quem cuida, quem administra e quem corrige os problemas. Até hoje a obra está incompleta e nem o estacionamento, projetado desde sua implantação, sequer saiu do papel. Muitos frequentadores não ajuda. Pelo contrário. Fazem algazarra, usam madeiras dos bancos e brinquedos para fazer fogo do churrasco, arrancam mudas de árvores que ali se tenta plantar. Outro local importante de lazer, a Praça Madeira-Mamoré, depois de décadas, finalmente, parece que vai mesmo ficar pronta e será entregue à população. Mas sem o passeio do trenzinho, que, não se sabe, se ainda voltará algum dia. Locais como o Skaye Park e o Deroche, embora pequenos e quando não são vandalizados, ajudam a alguns pequenos grupos, mas nunca à grande população. O Parque Natural já foi importante. Hoje, é algo secundário, conhecido por poucos e frequentado por muitos menos. Resta-nos, então, falar do Parque da Cidade.

A pandemia determinou, entre outras medidas restritivas, o fechamento do Parque da Cidade, um dos que mais atraem porto velhenses, principalmente daqueles que moram na região do Porto Velho Shopping e bairros no entorno dele. Fechado desde março de 2021, por causa dos riscos da Covid, o Parque está sendo preparado para voltar com tudo, em breve. A reabertura está prevista para um prazo próximo a 90 dias, já que até lá continuarão sendo realizadas obras, pela Prefeitura, para revitalização da área. Nas últimas semanas foi feito o asfaltamento da pista de caminhada e tão logo este trabalho esteja concluído, será iniciado o calçamento da área da entrada e manutenção de toda a rede elétrica do parque. Mas essa é apenas uma reforma paliativa. A renovação total do parque, que demorará um pouco mais, já foi decidia pelo prefeito Hildon Chaves. Foi ele mesmo quem divulgou, nas redes sociais, uma espécie de maquete, de como será um dos nossos principais parques, ainda no seu governo. Os investimentos, com recursos próprios, já estão no orçamento e o projeto faz parte do pacotaço de obras que a Prefeitura está realizando, na tentativa de dar uma nova cara à nossa Capital. Tomara que dê certo. Afinal, nossos representantes estão devendo muito à gente da sua cidade, em termos de qualidade de vida.

 SÍDIA CONTESTA INFORMAÇÕES DO BLOG E DIZ QUE ESTÁ SENDO FEITO APENAS ESTUDO PARA UMA POSSÍVEL VINDA A PORTO VELHO

“O Sidia Instituto de Ciência e Tecnologia, como instituto de pesquisa independente, sem fins lucrativos, esclarece que as matérias publicadas nesta semana com o tema “Opinião de Primeira: subsidiária de alta tecnologia da Samsung chega a RO oferecendo dois mil empregos diretos”, não encontram respaldo em nenhum registro oficial de nosso instituto. O Sidia afirma que está sendo realizado um estudo para uma possível implantação de uma unidade em Porto Velho (RO) e reforça que não divulga valores de investimentos e detalhes técnicos dos projetos. O Sidia reitera que é um instituto independente e que a Samsung é apenas um parceiro do negócio, assim como outras empresas do mercado”. A nota, publicada aqui na íntegra, contesta várias informações publicadas neste blog, na última terça-feira. A organização, poderosa e respeitada, tem todo o direito de defender seus interesses e tratar as informações sobre ela com todos os requisitos de sua forma de atuar. O que se pode dizer, contudo, é que há sim, no texto anterior, algumas incorreções, inclusive sobre o número de empregos que serão gerados e investimentos. Mas não há como afirmar que o Sidia está apenas  realizando “um estudo” para se instalar em Porto Velho. No próprio site da empresa, ela está chamando profissionais para “vagas para Porto Velho” (veja no link https://www.sidia.com/en/category/vagas-para-porto-velho/) . De qualquer forma, mesmo contestando a publicação deste blog, há que se elogiar a organização, que está sim vindo para nosso mercado, com toda a sua potencialidade e conhecimento.

GOVERNADOR COMEMOROU VINDA DA NOVA EMPRESA, SEM CITAR O NOME DELA OU DAR MAIS DETALHES

De onde surgiu a história da vinda do Instituto? De um vídeo em que o governador Marcos Rocha informou, inclusive numa recente entrevista coletiva, que “uma grande empresa viria para Rondônia, abrindo até dois mil empregos”. Não deu o nome da organização e nem mais detalhes. A informação, tão preciosa e importante para nosso Estado, fez com que o blog OPINIÃO DE PRIMEIRA começasse a falar com pessoas ligadas ao meio empresarial sobre o assunto. Todas as informações sobre a Sidia, publicadas nesta espaço, foram obtidas de fontes fidedignas, de pessoas conhecidas no meio da economia do Estado e que confirmaram a história. Também houve confirmação das negociações de gente ligada ao próprio governo, que, obviamente, não quer que seus nomes sejam divulgados. Alguns dos que falaram sobre o tema com o Blog, enriqueceram com detalhes as informações iniciais e outros, é claro, exageraram, o que acabou registrando a nota da empresa, negando vários dos dados informados. O que não se compreendeu foi a reação exagerada do Instituto Sidia. Alguns dos seus representantes chegaram a afirmar que “todas as informações estavam erradas”, ou seja, dando credibilidade zero ao pacote de detalhes que o texto sobre ela destacava. Também ficou estranho o pedido para que o texto fosse tirado do ar, o que, é claro, não foi feito, até porque, em nenhum momento, houve qualquer frase, na matéria publicada, que tivesse uma só vírgula que pudesse significar críticas ou abordagem desairosa sobre a empresa. Muito antes pelo contrário. Enfim, resume-se: o Sidia vem para Porto Velho e vai ajudar muito, sem dúvida, nosso desenvolvimento. Fim!

LUANA ROCHA E IEDA CHAVES: DUAS MULHERES PODEROSAS QUE PODEM DISPUTAR A ELEIÇÃO

Duas mulheres poderosas poderão estar na relação de tantos candidatos, a grande maioria homens, às eleições deste ano. Por enquanto, nenhuma delas confirma nada, mas são nomes muito viáveis, que estão realizando um trabalho social extremamente positivo, têm uma extensa folha de serviços prestados e que podem também ajudar seus maridos, ambos destacados líderes do nosso Estado. Luana Rocha, a primeira dama do Estado e atual secretária de Ação Social, estreou na política em 2018, quando o marido, Marcos Rocha, então um político pouco conhecido, surgiu para ganhar a eleição pelo governo. Luana concorreu a deputada federal, no contexto da busca de votos para os bolsonaristas. Sem dinheiro e com pouca estrutura, ela somou mais de 5.600 votos. Três anos depois, pode ir em busca de um mandato federal, pelos grandes resultados que tem obtido, enquanto seu marido é candidatíssimo à reeleição. A primeira dama da Capital, Ieda Chaves, é outro nome pule de 10, como se falava na linguagem do turfe, com chances reais de sucesso, caso confirme candidatura a algum cargo eletivo neste ano. Com o brilho pessoal crescente, com importantes realizações na área social (entre elas, a distribuição de 60 mil cestas básicas a famílias carentes, no ano passado), Ieda evita falar em política, ao menos por enquanto. Seu nome já foi comentado como uma possível candidata a vice-governadora tanto na chapa que será liderada por Marcos Rogério quanto na que poderá ter Confúcio Moura na cabeça. Ieda depende também do marido, o prefeito Hildon Chaves, que ainda não definiu qual o caminho que seguirá em 2022. Enfim, as mulheres estão cada vez mais poderosas e ocupando seus espaços. Bom para o ambiente tão masculinizado da política….

TSE PRESENTEIA O PAÍS COM LEI DURA CONTRA PESQUISAS FALSAS E ENQUETES, NESTE ANO DE ELEIÇÃO

É bom que se fique atento, em relação à pesquisas eleitorais feitas e publicadas a partir de 1º de janeiro. Para a corrida ás urnas deste ano, a legislação é muito exigente. Pesquisas Fake, pesquisas sem registro correto e sem dados detalhados, caso divulgadas, podem significar multas de até 53 mil reais. Diz Resolução aprovada por unanimidade pelo TSE que a partir de 1º de janeiro de 2022, as entidades e empresas que realizarem pesquisas eleitorais serão obrigadas a registrá-la no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais (PesqEle) até cinco dias antes da divulgação. Outra mudança importante: enquetes apresentadas ao público como pesquisa eleitoral, serão reconhecidas como pesquisas sem registro. A norma também define que compete ao Juízo da fiscalização eleitoral, o exercício do poder de polícia contra a divulgação de enquetes. Outra decisão do TSE obriga que sejam registradas informações como quem contratou a pesquisa, quem a está pagando, com CPF (caso de pessoa física) ou CNPJ (pessoa jurídica). Mas exige mais que isso (e é aí que a coisa engrossa): há exigência legal para que se declare não só o valor pago ao instituto contratado, como também a origem do dinheiro, metodologia usada e período em que o levantamento foi feito. Ou seja, muitas pesquisas fajutas que andam sendo divulgadas, certamente vão sumir do mercado. Sem dúvida, é um grande avanço que o TSE presenteia o Brasil.

DOS NOVE NOMES QUE PODEM IR AO SENADO, CINCO JÁ CONFIRMARAM QUE VÃO À LUTA NESTE ANO

Dos nove nomes cotados para disputarem a única vaga de Rondônia ao Senado, cinco deles já se apresentaram como pré-candidatos e querem o voto do rondoniense para chegar lá. Um já foi governador (Daniel Pereira); outro, senador (Expedito Júnior); um terceiro (Amir Lando), foi ministro do governo do então presidente Itamar Franco; há uma mulher com nome fortíssimo, que hoje é deputada federal (Jaqueline Cassol), mas que quer mesmo o Senado, neste ano e o quinto elemento, neste pacote, é o grande empresário de Vilhena e Cone Sul do Estado, Jaime Bagattoli, que, saindo do desconhecido para a maioria da população, por pouco mais de 30 votos não tirou a cadeira do duas vezes governador Confúcio Moura, em 2018. Um sexto nome está muito perto de entrar para este seleto grupo: o jovem deputado federal Léo Moraes. Ele ainda analisa o quadro, porque o Plano A é disputar o Governo do Estado. Mas, caso a intenção não consiga base suficiente, o Senado será o caminho. Mais dois políticos muito conhecidos e bons de voto ainda podem entrar nesta lista, embora prefiram buscar a reeleição: Mariana Carvalho e Alex Redano. Qual seria, então, o número nove da relação? Este é ainda uma grande incógnita. Ex-governador e um senador cujo mandato foi dos mais produtivos para Rondônia, Valdir Raupp ainda não decidiu quais os rumos que tomará.

BOLSONARO ELEVA A GUERRA CONTRA ARTISTAS FIGURÕES A UM NOVO PATAMAR

Que a gente se prepare, porque os ataques ao Presidente da República, vindos do meio artístico, vão dar um novo salto. Subirão, sem dúvida, para outro patamar, como diria o jogador Bruno Henrique, ao falar sobre a diferença do seu time, o Flamengo, para os outros. Depois de cortar os valores anuais que podiam chegar, a cada figurão do meio que usufruía da Lei Rouanet, a até 10 milhões de reais/ano, baixando o valor para apenas 1 milhão, agora Bolsonaro bateu abaixo da linha da cintura: confirmou que, a partir do deste ano, o valor máximo de apoio a artistas poderá ser na faixa de apenas 500 mil reais. Ao anunciar a decisão, o Presidente tripudiou: “queremos a Lei Rouanet para atender aquele artista que está começando a carreira e não para figurões ou figuronas, como a querida (claro que ironizou!) Ivete Sangalo. Ela está chateada? Está. O Zé de Abreu está chateado? Está. Porque acabou aquela teta deles, a gorda, de se pegar até 10 milhões de reais da Leo Rouanet e defender o Presidente de plantão.  Eu não quero que me defenda, eu quero que falem a verdade ao meu respeito!” Bolsonaro citou os dois artistas que, nos últimos dias, “lacraram” com duros ataques ao Presidente. Ivete com palavras de baixo calão e Zé de Abreu indo às redes sociais, dizendo torcer pela morte de Bolsonaro. Esta guerra ainda vai longe!

GANGUES E FACÇÕES DOMINAM CONJUNTOS POBRES. DE VEZ EM QUANDO, A POLÍCIA DESARTICULA GANGUES CRIMINOSAS  

São nas áreas onde vivem as comunidades mais pobres que a bandidagem toma conta, até pela ausência do Estado. Ali, formam quadrilhas, criam facções, preparam seus crimes e colocam a população sob o domínio do medo. Assumem o poder, já que quem deveria fazê-lo, não está lá! Os exemplos estão em todas as regiões do Brasil, mas, é claro, em Porto Velho o maior deles é no conjunto habitacional Orgulho (?) do Madeira, onde quase 12 mil pessoas de bem estão sob o jugo e o comando de meia dúzia de bandidos. Muitos já foram presos, mas a maioria nas ruas de novo, graças às benevolentes e amigas do crime leis brasileiras. Por lá, as facções criminosas dominam e até criaram os “Mandamentos” que todos devem seguir, senão… Agora chegou a vez de outro local muito perto da miséria, ser dominado pela bandidagem. A Vila Princesa, onde moradores paupérrimos, muitos famintos, todos perto do desespero, sobrevivem com a cata do lixo. Ali, criminosos cruéis tomaram conta, escondendo-se atrás daquela gente que já tem uma vida duríssima. Por isso, há que se elogiar o trabalho da nossa Polícia que, nesta semana, prendeu uma quadrilha que, de lá, comandava ações como assaltos, sequestros relâmpago e outros crimes. Claro que em breve a maioria estará nas ruas de novo, mas todos saberão que a polícia os conhece e vai atrás, tantas vezes quantas necessárias. Por enquanto, são essas ações, mesmo que isoladas, que ainda mantém um fio de esperança na lei e na ordem, para a população pobre, parte dela perto da miséria, que vive em áreas onde a lei é criada pelos bandidos.

PERGUNTINHA

Você que está acompanhando mais uma guerra política/ideológica, agora na questão do uso ou não de vacinas em crianças, qual dos lados acha que têm razão e qual está apenas defendendo suas crenças e não as vidas dos nossos pequenos?

Os comentários estão encerrados.