DEPOIS DE HADDAD E MERCADANTE, LULA TEM MAIS UM PROBLEMÃO: AS DÍVIDAS DA CANTORA MARGARETH MENEZES

Artigo editado em: 17 de dezembro de 2022

GOVERNADOR, SENADOR E DEPUTADOS SÃO DIPLOMADOS EM SOLENIDADE NA ULBRA, NO FIM DA TARDE DESTA QUINTA-FEIRA
14 de dezembro de 2022
NA VENEZUELA, A CORTE SUPREMA TOMOU O LUGAR DO PARLAMENTO. NO BRASIL, JÁ ESTAMOS CORRENDO O MESMO RISCO?
20 de dezembro de 2022

O que vai acontecer com o Brasil, com a radical mudança de rumos que enfrentará, a partir de 1º de janeiro, quando o Presidente Lula assumirá seu terceiro mandato à frente da Nação? Neste momento há muito mais dúvidas do que certezas, principalmente pela demora na montagem da equipe que o acompanhará, na gestão do país e que cuidará dos 33 Ministérios, 10 a mais do que os 18 (além de outros cinco com status ministerial) do governo Bolsonaro. Mesmo com uma equipe de transição que já passa de mil pessoas, inclusive com alguns ruídos entre elas (o PT, por exemplo, anda chiando que terá pouco espaço), Lula ainda não definiu nomes para pastas importantes como o Planejamento e a Educação, apenas para citar duas áreas vitais para qualquer governo. Além disso, também não está sendo fácil para ele, escolher nomes que tenham algum consenso ou que não estejam enrolados com problemas na Justiça, por exemplo. Alguns dos nomes até agora indicados, sem exceção, estão recebendo críticas, ora de um setor, ora de outro, ora de várias áreas. A escolha de Fernando Haddad para a Economia, representou o primeiro estouro, com o mercado demonstrando péssimo humor: queda da Bolsa, Petrobras perdendo 180 bilhões de reais do valor de suas ações e por aí vai. Depois, foi  Aloísio Mercadante, indicado para o BNDES, que, a não ser que mude a lei, a toque de caixa, não pode assumir o posto. Agora, mais um dos poucos nomes escolhidos por Lula, a cantora baiana Margareth Menezes, está se tornando mais uma dor de cabeça. Convidada para ser ministra da Cultura, um dos Ministérios a serem recriados, depois de ter aceitado, Margareth pode nem chegar perto de comandar um órgão no novo governo. Ela tem sérios problemas de dívidas com a União, em função de dinheiro público que recebeu há 12 anos para uma ONG que comanda e que até hoje está inadimplente, respondendo a várias irregularidades. Mas, pior ainda, Margarete tem uma dívida de mais de 1 milhão e 100 mil reais com a Receita Federal, em impostos não recolhidos, de duas empresas que estão em seu nome. A coisa está mesmo complicada, no quesito das escolhas do novo mandatário do país.

Todo o pacote de problemas ainda inclui o fato de milhões de brasileiros, mais de 45 dias depois da eleição, ainda estarem nas ruas, protestando contra o resultado das eleições. Não fosse o partidarismo dos ministros do STF, liderados por Alexandre de Moraes que, nesta semana, comemorou com risos o fato de que vai mandar prender muito mais gente e aplicar muito mais multas, a situação de Lula seria ainda pior. O novo governo precisa ajustar seus rumos o mais rápido possível, buscar apoios onde ainda não conseguiu, tentar pacificar o país e se afastar da mentalidade de ditadores de toga, que estão colocando fogo na gasolina. Lula tem missões das mais complexas. Se não as cumprir, vai começar o governo com problemas muito maiores do que poderia imaginar. Ou seja, pode começar muito mal. E o que começa mal, tende a terminar pior ainda…

DIPLOMAÇÃO FOI APENAS PARA OS ELEITOS E CONCLUIU UMA ELEIÇÃO TRANQUILA, CONDUZIDA PELO TRE

Mesmo sem a diplomação dos suplentes, uma longa solenidade marcou a diplomação dos eleitos na eleição deste ano. O governador Marcos Rocha, seu vice, Sérgio Gonçalves; o senador Jaime Bagattoli (que, aliás, duro adversário do governo, sentou ao lado de Rocha e Gonçalves, evitando olhar para o lado); os oito deputados federais e os 24 deputados estaduais receberam os diplomas do comando do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) rondoniense.

No seu discurso, o governador Marcos Rocha falou com otimismo sobre o futuro e no que pretende realizar em benefício da população. Mais ou menos o que disse, poucas horas antes, numa entrevista ao apresentador Augusto José na SICTV/Rondônia. Nela, Rocha destacou que os setores de infraestrutura (principalmente da melhoria da qualidade das rodovias estaduais) e avanços significativos na saúde pública terão prioridade acima de outras áreas, embora todas, conforme sublinhou, terão atenção especial.

O evento foi simples, eficiente e representou o último passo em todo o pacote de ações comandadas pelo TRE, numa eleição em Rondônia a que só se pode elogiar.

MARCOS ROGÉRIO SE LICENCIA DO SENADO E PASSA A CADEIRA A SAMUEL ARAÚJO, EMPRESÁRIO DE JI-PARANÁ

Por um período ainda não determinado, Rondônia tem  um novo senador. O empresário Samuel Araújo, de Ji-Paraná, assumiu a cadeira de Marcos Rogério, que se licenciou para poder se dedicar totalmente aos cuidados com sua filha, que está enfrentando uma doença maia séria. Ao comunicar seu afastamento das funções, mesmo que por algum tempo, Marcos Rogério chegou a se emocionar e chorar, principalmente quando se referiu ao problema de saúde da sua menina, Nas redes sociais, quando anunciou a decisão, o senador do PL avisou que “pedi um período de licença no Senado Federal. Conto com a compreensão do povo querido do meu Estado de Rondônia e de todos os brasileiros. Agradeço todo o apoio que tenho recebido e espero estar de volta em breve”. Marcos Rogério deixou claro que reassume logo que possível, ao avisar que “temos ainda muitos desafios pela frente”. Samuel Araújo, conhecido como o “Rei dos Precatórios”, fez fortuna atuando na área financeira. Dono de empresa de Factoring, ele compra os papéis com descontos e briga no Judiciário para obter valores muito maiores, o que está dentro da legalidade, embora ele tenha sido criticado, injustamente, por seu trabalho, que sempre foi feito, lembra, absolutamente dentro dos limites legais. Figura geralmente avessa a aparições e pronunciamentos públicos, Araújo fica no posto até a volta do titular da cadeira.   

ASSEMBLEIA ENCERRA ANO COM ORÇAMENTO APROVADO E MUITOS AGRADECIMENTOS DE REDANO

Com um esforço concentrado, com um discurso de agradecimento emocionado do presidente Aleda Redano, com todos os projetos importantes votados, a Assembleia Legislativa encerrou o ano nesta semana (embora ainda possam, eventualmente, haver sessões extraordinárias), com resultados altamente positivos. Centenas de projetos de interesse da população foram votados; milhões de reais em emendas foram distribuídos, ajudando a diferentes setores das comunidades rondonienses, entre inúmeras ações, audiências públicas e dezenas de pessoas representando os mais diferentes setores da coletividade sendo homenageadas. Numa só sessão, a ALE aprovou o mais importante projeto para este final de ano, o do orçamento do Estado (mais de 13 bilhões e 400 milhões de reais), permitindo ao Governo iniciar o novo ano já abrindo o Orçamento e podendo colocar em prática seus programas de governo e cumprir seus compromissos financeiros desde o início do segundo mandato do governador Marcos Rocha. Foram 20 votos favoráveis e cinco emendas propostas. Os parlamentares aprovaram ainda a indicação do auditor fiscal Jailson Viana de Almeida para ocupar a única cadeira vazia do Tribunal de Contas do Estado. No final da sessão, o presidente Alex Redano foi um discurso de agradecimento a todos os deputados, aos servidores da Casa e à população do seu Estado. Dia 31 de janeiro ele encerra um mandato de dois anos à frente do nosso Parlamento.

CASSOL REESTRUTURA O PP, COM OLHOS VOLTADOS PARA O FUTURO DA POLÍTICA RONDONIENSE

Quem imagina Ivo Cassol longe da política, está totalmente enganado. O ex-governador continua cada vez mais firme em direção ao futuro. Depois da eleição deste ano, quando ficou de fora porque o STF ignorou um pedido dos seus advogados para rever um processo que o impediu de entrar na disputa, Cassol está mais ativo do que nunca. Sua primeira decisão neste período pós eleitoral é a de reestruturar seu partido, o PP, buscando novos rumos, novas lideranças e o preparando para a disputa das eleições municipais de 2024. Por enquanto, contudo, o líder político garante que não tem feito acordos nem com o atual governador, liderado por Marcos Rocha, mas também não se posta como oposição. Apenas está distante. Inclusive Cassol fez questão de ressaltar que não teve participação alguma e nem foi consultado pela indicação de Luiz Paulo Batista, marido de sua irmã, a deputada federal Jaqueline Cassol, que ocupa a Secretaria da Agricultura no atual governo. Para ele, os olhos devem ser voltados para o futuro. E é no futuro que ele está de olho, ao começar desde agora a reestruturação do seu partido. Para Cassol, o futuro é 2024 e, também, 2026, sem dúvida. 

BANCADA DE CACOAL NA ASSEMBLEIA TERÁ DOIS NOMES DE PESO, QUE SOMARAM 40 MIL VOTOS EM OUTUBRO

Cacoal terá dois representantes na Assembleia Legislativa do Estado. Uma das maiores cidades do Estado, com uma população se aproximando de 90 mil habitantes e quase 67 mil eleitores, a cidade do prefeito Adailton Fúria terá um grande aliado, seu atual vice-prefeito, Cássio Góis, do PSD e também outro parlamentar entre os que mais se destacaram no primeiro mandato, Cirone Deiró, do União Brasil. Juntos, os dois somaram praticamente 40 mil votos, numa demonstração clara que a comunidade se uniu em torno de nomes locais, para representá-la no parlamento estadual. Deiró teve um primeiro mandato recheado de realizações. Prestes a comemorar 52 anos (a data é 22 de dezembro), ele foi vice-prefeito na administração de Glaucione Rodrigues. Dois anos depois da eleição, ele conseguiu chegar à Assembleia Legislativa. Sua vida pública na realidade começou como líder empresarial, quando comandou a Associação Comercial e Industrial da sua cidade. Ao reeleger-se com quase 23 mil votos, Deiró deixou claro que a população o aprovou como deputado. Já Cássio Gois é um novo personagem na política estadual, embora já tenha importante participação em todos os setores da sua comunidade. Eleito com quase 18 mil votos, certamente será um personagem importante para atender as demandas da sua cidade e região. A nova legislatura começa em 1º de fevereiro do ano que vem.

CARTEIRA DE AUTISTA: COBRANÇA DE 154 REAIS PELA RENOVAÇÃO É ILEGAL, AFIRMA VINICIUS MIGUEL

O governo rondoniense precisa investigar a veracidade sobre uma cobrança na emissão de Carteira de Identidade de autistas, em torno de 154 reais, quando da renovação. Todas as primeiras identidades são gratuitas, mas a partir da segunda emissão, o valor é cobrado, embora, segundo o advogado e professor Vinicius Miguel lembrou num longo artigo que escreveu sobre o tema, haja uma lei federal desde os anos 90, impedindo a cobrança. Muitas crianças e jovens – e até adultos – diagnosticados com autismo, vêm de famílias pobres ou muito pobres. Um valor alto como este prejudica sim quem não pode pagar nada. Ele criticou ainda, duramente, os que criaram a lei, exigindo que a carteira de autista seja renovada a cada cinco anos, “como se o autismo tivesse cura”, lamentou. Vinicius escreveu ainda que “custos e despesas com terapias multiprofissionais, consultas médicas e, por muitas vezes, aquisição de fármacos de uso continuado”, causam “uma evidente redução da qualidade de vida familiar com gastos intermináveis” destas famílias que, muitas vezes, não tem dinheiro nem para a alimentação. O assunto já chegou ao conhecimento do Ministério Público e dos órgãos do governo. Em breve, o assunto deve entrar na pauta, com uma solução que ajude a proteger aqueles que mais precisam.

ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO TEM APOIO DE RIBAMAR, VIA EMENDA DE 85 MIL REIAS, JÁ APROVADA

Com o objetivo de atender o pleito antigo de servidores, tanto da área operacional quanto da administrativa das Unidades da Fundação Estadual de Atendimento Socioeducativo – FEASE, o deputado estadual Dr. Ribamar Araújo destinou no ano de 2022, recursos de emendas parlamentares no valor de 85 mil reais, já empenhados, para a aquisição de novos equipamentos, tais como: computadores, centrais de ar, móveis, bebedouros, ventiladores e máquina de fralda descartável. ‘’Ele é um dos poucos deputados estaduais que tiveram a iniciativa de visitar as unidades socioeducativas da capital, entender como é a nossa realidade e rotina. E o que temos é o sentimento de gratidão ao Deputado Ribamar Araújo, e essas ações dele não serão esquecidas pelos servidores, nós podemos dizer que ele é um Parceiro do Sistema Socioeducativo Rondoniense.’’ agradece o servidor Werllesson Douglas Viana de Almeida,  agente de Segurança Socioeducativo e Representante Sindical da Categoria. O deputado Ribamar Araújo, durante todo o seu mandato, tem se preocupado em apoiar sindicatos, entidades e instituições dos mais diferentes segmentos. Tem sido também um parceiro constante dos produtores rurais, apoiando inúmeras iniciativas que valorizam o trabalho deles e de suas entidades representativas.





SILVIA CRISTINA PRIORIZARÁ SAÚDE E FARÁ OPOSIÇÃO A LULA, SEMPRE QUE NÃO HOUVER PREJUÍZO A RONDÔNIA

Eleita com mais de 65 mil votos (foi a segunda mais votada entre as dezenas de candidatos à Câmara Federal), a deputada Silvia Cristina, de Ji-Paraná, tem muitos planos para seu segundo mandato, que começa em 1º de fevereiro deste 2023 que está chegando. A prioridade será a mesma dos primeiros quatro anos, quando conseguiu recursos para a construção de um grande hospital de prevenção ao câncer, que já funciona há desde o ano passado e, ainda, de um hospital para recuperação de pessoas com deficiência, que será inaugurado entre final de janeiro e meados de fevereiro, ao lado do Hospital do Amor (Hospital do Câncer), em Porto Velho.  Agora com mais experiência, porque conhece os atalhos e sabe onde buscar os recursos, Silvia Cristina quer ser parceira do Estado na melhoria da estrutura do sistema de saúde. “Meu foco continua sendo a saúde da nossa população”, anuncia Silvia, sobre seu novo mandato de quatro anos, ocupando uma cadeira na Câmara Federal. Com relação à sua atuação política, frente ao novo governo de Lula, que assume no início do ano, a parlamentar rondoniense já se definiu como opositora. Mas, sublinha: “será uma oposição responsável, de forma que ela não prejudique o Estado de Rondônia”. Usou a conhecida declaração: “naquilo que for bom para nosso Estado, terá meu apoio. Aquilo que não for positivo para nossa terra, obviamente que não terá meu apoio”!

HOMENAGEADO PELA OAB, CLÊNIO AMORIM NÃO VAI MAIS ADVOGAR, DEPOIS DE 40 ANOS DE DEFESA DO DIREITO E DA JUSTIÇA

Perdas e ganhos. De um lado, a Advocacia e o Direito vão perder um dos seus mais dignos representantes. De outro, um menino de 10 anos, chamado João Rafael, vai receber algo muito especial: o avô/parceiro muito mais presente, mais perto dele. O resumo da história é assim: Clênio Amorim, advogado da União durante 35 anos, aposentado desde 2016 e que ainda teve vários mandatos como representante da OAB no Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia, decidiu encerrar a carreira. Primeiro, para ficar mais perto de João Rafael. Depois, para cuidar da saúde, que está mesmo precisando de uma atenção especial, a essa altura da vida. Antes de decidir pela aposentadoria definitiva, o dr. Clênio foi alvo de mais uma, entre inúmeras homenagens que recebeu durante sua vida como profissional e como membro da Justiça Eleitoral. Na própria OAB, presidida por Márcio Nogueira, ele recebeu uma homenagem especial, uma moção de aplauso, o Jubilamento (que o isenta de pagamento de anuidades para sempre) e, ainda, uma placa, com os biênios em que ele representou a OAB, de forma correta e digna, em todas as vezes em que atuou no TRE. Um nome vitorioso do meio do Direito está pendurando as chuteiras, depois de tantos serviços prestados!

PERGUNTINHA

A menos de uma semana para o Natal, você já comprou todos os presentes ou ainda vai deixar para ir às lojas na última hora, como a maioria dos brasileiros geralmente faz?

Os comentários estão encerrados.