A CPI DO CIRCO PODE SER UM TIRO NO PÉ DOS SEUS CRIADORES, COMO OCORREU COM O MENSALÃO, HÁ 15 ANOS?

MARCOS ROCHA, IVO CASSOL, MARCOS ROGÉRIO: PRÉ CANDIDATOS PARA 2022, TODOS CONTAM COM BOLSONARO
24 de maio de 2021
SEM AFTOSA E SEM VACINA, CARNE VERDE PRODUZIDA EM RONDÔNIA CHEGA A MESAS EM DEZENAS DE PAÍSES
27 de maio de 2021

Quando o PT exigiu a criação de uma CPI, em 2005, para “pegar” o então deputado federal Roberto Jefferson, apontado como responsável pela corrupção nos Correios, não sabia onde estava se metendo. Pouco depois, Jefferson foi à mídia para denunciar o que ficou conhecido como o Mensalão, o maior e mais complexo crime de corrupção já descoberto no país, com a compra de parlamentares com dinheiro público, pelo governo Lula, que chegava ao seu segundo ano. Dezesseis anos depois, uma nova CPI pode repetir o evento que envolveu o Brasil no esgoto da vergonhosa corrupção política, só superada pela formação de quadrilha de Lula e seus aliados, anos depois, que culminou na Operação Lava Jato, mais uma vergonha a que o brasileiro do bem teve que assistir, assustado. A terceira onda pode chegar com a CPI do Circo, criada com o apelido de CPI da Pandemia. A oposição, claro que sem preocupação alguma com os interesses maiores do país, mas apenas com a missão de tentar destruir o governo brasileiro, aquele que foi legitimamente eleito e deu uma surra nos adversários, nas urnas, pode acabar se dando mal. A reação da opinião pública (em sua imensa maioria) e as manobras dos aliados governistas, chamando para depor governadores e prefeitos e com o esclarecimento do que foi feito com bilhões de reais, há um risco de que os rumos da CPI mudem radicalmente.

Ora, enquanto Renan Calheiros e sua turma querem atingir apenas o governo e fazer de tudo para criminalizar Bolsonaro, os aliados do Planalto querem mudar o alvo principal, exigindo que as investigações mudem de rumo da Comissão. A roubalheira do dinheiro público, os desvios, os casos de superfaturamento em hospitais de campanha, compra de equipamentos e medicamentos, como a aquisição de respiradores em casa de vinho, como ocorreu em Manaus, se tornariam o centro das ações na CPI, caso os bolsonaristas consigam reverter a situação, mesmo em minoria, contando com o apoio da opinião pública, de quem, no final das contas, todos os políticos têm medo. É, por enquanto, uma teoria. Contudo, ela não deixa de trazer algumas semelhanças com o que aconteceu no país, há mais de uma década e meia, quando os petistas, sempre querendo demonstrar que eram os únicos honestos no mundo (depois se conheceu a verdadeira face da maioria deles!), ajudaram a criar o monstro que os engoliu. Haverá, pelo andar da carruagem, a possibilidade de mudança radical nos rumos da CPI ou a teoria está tão distante da realidade? A CPI do Circo se transformará na CPI da Roubalheira da Covid? Esperemos para ver…

ROCHA NA CPI MOSTRARÁ A TRANSPARÊNCIA EM TEMPOS DE PANDEMIA

O governador Marcos Rocha deve ser um dos convocados para depor na CPI, sobre uma ação da Polícia Federal, no ano passado, que teria buscado evidências de superfaturamento na compra de testes para a  Covid19. Mesmo que vários meses depois da operação, nada tenha sido divulgado se, afinal, houve ou não alguma ilegalidade em algum setor do governo, o presidente da CPI, Omar Aziz, como uma espécie de “vendetta” contra o rondoniense Marcos Rogério, avisou que se o governador do seu Estado, o Amazonas, fosse convocado, o de Rondônia também o seria. Além de tudo o que está fazendo de estripulias no comando da CPI, Aziz ainda é pessimamente informado, já que não sabe que os dois Marcos (o Rocha e o Rogério), são adversários políticos. O governador Marcos reagiu à participação na CPI do seu jeito: disse que ficaria feliz em poder mostrar a transparência dos recursos públicos utilizados no combate à pandemia. Vai certamente contar que, enquanto outros estados superfaturaram na compra de hospitais de campanha, Rondônia comprou um prédio para sempre, por apenas 12 milhões de reais. Rocha diz que não há nada a esconder. Pelo contrário: ele faz questão de falar.

NÃO HAVERÁ DEMISSÃO DE GARIS, MAS LIMPEZA SERÁ FEITA POR EMPRESA CONTRATADA

Há falta de informação, por erro da própria Prefeitura, mas também muita desinformação e até Fake News, em relação ao projeto aprovado por 14 dos 21 vereadores da Câmara de Porto Velho, que acaba com carreiras como as de garis; de arquitetos e engenheiros, dentro da estrutura administrativa do Município. Por partes, como o Estripador de Londres. É importante começar dizendo que não haverá demissão dos aproximadamente 600 garis. Todos terão empregos garantidos até a aposentadoria. Portanto, menos gritos nesse sentido. Segundo: dos 600 garis, algo entre 80 e 100 nas ruas. Os demais estão ocupando outras funções. Ou seja, há apenas 80 deles trabalhando nas ruas, para cuidar de toda a cidade. Mesmo que todos fossem trabalhar na limpeza, a compra de material para todos, pelo alto custo e pela necessidade constante de renovação dos materiais que quebram ou se perdem e até pelo tempo necessário para as compras, tornaria tudo mais difícil e, pior: muito mais oneroso para os cofres municipais. A intenção da proposta é passar o sistema de limpeza pública para a iniciativa privada, derrubando violentamente o custo desse serviço para o município, que, no futuro, não terá mais gastos de material e, mais que tudo, de pessoal, para manter a cidade limpa. Esse quesito ficou claro? Então, vamos adiante.

ARQUITETOS E ENGENHEIROS: PROJETOS NÃO SÃO CONCLUÍDOS?

O caso dos engenheiros e arquitetos é, esse sim, muito mais complexo. Uma fonte muito importante do atual governo municipal comentou à coluna que o prefeito Hildon Chaves não teve outro caminho a seguir, a não ser tomar essa medida drástica, por um motivo simples: não estaria havendo resultados prático do trabalho dessas equipes, com profissionais contratados com altos salários pelo município. Como o caso vai gerar muito debate, confusão, disse-que-me-disse e até possíveis ações judiciais, é bom que se diga que a Prefeitura teria exigido o cumprimento de metas para a produção de projetos, muitos deles nunca concluídos. O governo Hildon Chaves afirma que comemora o grande apoio da bancada federal rondoniense, que tem destinado milhões e milhões de reais em recursos para obras em Porto Velho, mas muito desse dinheiro corre o risco de se perder, porque os projetos necessários para a liberação das emendas não estariam ficando prontos. Sem os resultados que considera vitais, a Prefeitura decidiu mudar a estratégia, acabando com as carreiras dentro da administração e fazendo contratações via iniciativa privada. Qual o problema maior de tudo isso? Simples. Tudo foi feito sem a devida explicação para a população. Sem comunicação correta, fica a versão e não a realidade. Daí que o pau cantou, principalmente nas redes sociais. A Prefeitura agiu certo? Nas mudanças, pode ter agido sim, para corrigir excrescências. Mas errou feio na comunicação.

LCP SAI DE FAZENDA INVADIDA POR CONTA PRÓPRIA. POLÍCIA COMEMORA!

Eles venceram. Tomaram e destruíram uma propriedade; confrontaram a polícia, inclusive atirando fogos de artifício diretamente sobre o helicóptero da PM, que sobrevoava a área; atiraram nos policiais; mataram várias cabeças de gado, roubaram o que puderam. No final, saíram “pacificamente”, segundo informações oficiais das autoridades da segurança pública de Rondônia. Ou seja, os membros da Liga dos Camponeses Pobres (LCP), grupo considerado terrorista, saíram por conta própria da Fazenda Nossa Senhora Aparecida, na região de Chupinguaia. Saíram depois de vários confrontos com a polícia; depois de pelo menos três dos líderes serem presos após atacarem a PM, uma mulher inclusive que atirou contra os policiais e, enfim, segundo a área de segurança pública, pela pressão da polícia, com sua presença ostensiva nesta região. No final das contas, o grupo, inclusive com a participação de suspeitos de crimes, sai como se vítima fosse. Um dia, quem sabe, nossas autoridades terão coragem de enfrentar esse grupo terrorista, sem temer que as leis brasileiras de proteção à bandidagem, criminalize quem defende a sociedade.  

RECEBEMOS 628 MIL VACINAS. 138 MIL DELAS NÃO FORAM APLICADAS, ATÉ AGORA

Passada a crise da falta de vacinas Coronavac para a segunda dose, crise finalmente superada, Rondônia volta a receber mais imunizantes. Nessa quarta à tarde, chegaram mais 44 mil doses, todas as Oxford/Astrazenica, para  a continuidade de imunização de vários grupos, considerados prioritários. Nos próximos dias, podem ser anunciados novos lotes, principalmente da Astrazenica, mas também da Pfeizer, que havia chegado apenas para atender parte da população da Capital, mas que começa agora a ir também para o interior. Em números redondos, com o lote que chegou nesta semana (44 mil), Rondônia já recebeu, desde o primeiro lote, nada menos do que 628 mil vacinas. Até a noite da terça-feira, no Boletim 431, da Sesau, já haviam sido aplicadas 368 mil doses, em números arredondados. Some-se a isso as 44 mil que ainda não foram distribuídas e as 78 mil guardadas (diferença entre a primeira dose – 223 mil – e a segunda – 145 mil -), teríamos um total de 490 mil doses, entre as usadas, as que estão acondicionadas e as que estão sendo distribuídas. Ou seja, do total das vacinas que já estão disponíveis desde a semana passada, nada menos do que 138 mil doses ainda não foram aplicadas. A lentidão em algumas Prefeituras (senão na maioria delas), continua prejudicando seriamente o programa estadual de vacinação.

PM E BOMBEIROS FAZEM CARREATAS NO ESTADO, POR MAIORES SALÁRIOS

Mais um problemão para o Governo do Estado. Nesta próxima segunda-feira, policiais militares e bombeiros, liderados por seus oficiais, preparam uma grande manifestação, com carreatas pela Capital e cidades do interior, exigindo reajuste salarial. No meio da pandemia, a mobilização da PM, por exemplo, conta com a liderança de vários coronéis. Entre eles, o ex-comandante da tropa e ex homem de confiança do governador Marcos Rocha, seu colega de farda, o hoje secretário municipal de trânsito de Porto Velho, Mauro Flores. Negociações estão em andamento desde março de 2020, quando depois de uma reunião entre as forças de segurança, não foi aceito o reajuste de 8 por cento proposto pelo governo. Os PM e Bombeiros querem um ajuste linear, que poderia representar um acréscimo significativo no custo final dos salários das tropas. Hoje o valor está em torno de 623 milhões e passaria para mais de 910   milhões. Há uma diferença muito grande entre o que o governo oferece e a tropa pede. Serão dias muito difíceis, esses que envolvem a negociação com os militares.





BRASIL JÁ APLICOU MAIS DE 63 MILHÕES DE DOSES DAS VACINAS

Até a quarta-feira, já haviam sido distribuídas nada menos do que 90 milhões e 771 mil vacinas para todo o Brasil, pelo Ministério da Saúde. Desse total, 63 milhões e 540 mil doses já haviam sido aplicadas, incluindo a segunda dosagem. Isso significa que, de uma população aproximada de 212 milhões de brasileiros, pelo menos 30 por cento, já recebeu algum tipo de imunizante, incluindo-se aí os que já receberam as duas doses. Estamos entre os quatro  países do mundo que, proporcionalmente à sua população, mais vacinaram em todo o mundo. Estamos atrás, contudo, da China, Estados Unidos e Índia. Já passamos o Reino Unido, que é o quinto. Mas o Brasil caminha entre os que mais, numa população total, estão conseguindo imunizar o maior número de pessoas. Há um risco real de uma nova onda do vírus (com o vírus da cepa indiana, principalmente), enquanto o Brasil luta para, até o final do ano, cumprir a meta de vacinar toda a população. É uma possibilidade real, mesmo com todos os problemas que temos informado, pela dependência dos insumos que vêm, principalmente, da China.

PERGUNTINHA

Você concorda que a Prefeitura deva ter uma empresa privada para fazer a limpeza da cidade, com grande economia aos cofres públicos ou deve manter o serviço com os garis contratados?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *